Como preparar os estudantes para as demandas do século XXI?

Para aprender continuamente e lidar com problemas complexos, os alunos precisam desenvolver competências, como colaboração e pensamento crítico, e habilidades socioemocionais, como proatividade e resiliência

É comum ouvirmos atualmente que a formação dos estudantes de hoje deve estar alinhada às demandas do século XXI. Mas quais seriam exatamente essas demandas e como preparar os alunos para elas?

 

Para Bruno Gebara, diretor de operações da Camino Education, quando nos deparamos com essa pergunta, é importante, antes de tudo, colocarmos em perspectiva que os estudantes que iniciam seu período escolar em 2021, por exemplo, estarão no mercado de trabalho apenas após 2035. “Assim, por mais tendências e estudos que existam a respeito, a única certeza é que o mundo será muito diferente, em todas as perspectivas. A capacidade de aprender, desaprender e reaprender é certamente uma das características que serão mais necessárias para que os seres humanos possam viver plenamente. ”

 

Diante disso, segundo ele, pais e educadores devem se questionar sobre quais habilidades os estudantes precisam desenvolver, os conteúdos que precisam ser aprendidos e os atributos de personalidade que serão necessários.

 

O diretor explica que, em relação às habilidades que precisam ser trabalhadas com os alunos, elas se referem, essencialmente, à criatividade, ao pensamento crítico, à comunicação e à colaboração. Segundo ele, o desenvolvimento de tais habilidades é coerente com as mudanças que têm ocorrido e continuarão a acontecer de maneira mais rápida no mercado de trabalho como consequência da revolução tecnológica. 

 

“Profissões que são baseadas em habilidades cognitivas simples tendem a desaparecer no futuro, pois não há dúvidas que máquinas e robôs têm um desempenho melhor, mais rápido e mais barato que os serem humanos em tais tarefas”, aponta. Por outro lado, ele acrescenta que “crescerá a demanda por profissionais que sejam capazes de resolver problemas complexos, sobretudo quando a resolução de tais questões passar pela necessidade de relação interpessoal e, portanto, habilidades socioemocionais.”

O currículo das escolas precisa se adequar

Gebara observa que o currículo das escolas tradicionais, em grande escala, permanece inalterado e não poroso às evoluções que ocorreram na sociedade. Ele acredita ser necessário adequá-lo para o tempo atual, o que significa, além das disciplinas tradicionais – que continuam relevantes – aprender conteúdos relacionados, por exemplo, à tecnologia, economia e empreendedorismo e saúde e bem-estar.

 

De acordo com Gebara, tão importante quanto essas novas habilidades e conteúdos é a construção de atributos de personalidade que sejam adequados para o século XXI e que vão definir o modo pelo qual os estudantes lidarão com as mudanças e com os desafios que vão surgir. “Curiosidade, proatividade, persistência, resiliência e adaptabilidade, entre outras, são características fundamentais para que os estudantes possam viver de maneira plena num mundo que se transforma constantemente”.