Aprendizagem ativa coloca aluno como protagonista do conhecimento

Nesse método de ensino, a investigação assume papel central, e o professor atua como orientador do processo

Para lidar com os desafios do século XXI, em que as transformações tecnológicas acontecem em velocidade exponencial e o conhecimento não é mais exclusividade do professor, as escolas precisam se reinventar para ganharem relevância e conseguirem o engajamento dos alunos.

 

Um dos caminhos para isso, segundo Leticia Lyle, diretora da Camino Education e diretora pedagógica da Camino School, é a aprendizagem ativa, que pode ser definida como qualquer método de ensino que envolva os alunos ativamente no processo de aprendizagem. “A metodologia prevê que os estudantes realizem atividades significativas e que reflitam sobre o que estão fazendo”, afirma.

 

Isso inclui, por exemplo, conversar, escrever, jogar, testar, fazer ou simular atividades do mundo real na sala de aula. Essas ações se traduzem em dramatizações, estudos de caso, projetos em grupo, ensino entre pares, criação de soluções como artefatos, vídeos, artigos, campanhas, debates e demonstrações seguidas de discussões em classe. “A investigação, a resolução de problemas e a capacidade de relacionar conhecimentos e informações assumem papel central e o professor atua como um orientador e facilitador desses processos”, explica a diretora. Outro aspecto importante que decorre da aprendizagem ativa, de acordo com Lyle, é o trabalho mais efetivo para o desenvolvimento das habilidades socioemocionais e competências, como pensamento crítico, colaboração e criatividade, já que os estudantes interagem entre si, pesquisam e resolvem problemas em grupo.

 

Para Leticia, com base na Neurociência e na Ciência da Aprendizagem, quando os estudantes desempenham um papel ativo e dinâmico no processo de ensino e aprendizagem e são agentes centrais da construção do seu conhecimento, a capacidade de lembrar e transferir esses saberes a longo prazo acontece mais facilmente. Mas, para isso, o conhecimento precisa ser significativo, aplicado e transferível.

 

A fim de conseguir esses objetivos, ela conta que o modelo de ensino proposto pela Camino Education tem base em quatro pilares: construção ativa do conhecimento, aprendizagem contextualizada, interações e tecnologia. “Entendemos que a aprendizagem ocorre quando os estudantes constroem significados, baseando-se em suas experiências com o mundo e compartilhando conhecimentos.” Nesse contexto, as tecnologias educacionais tais como a Cloe, a plataforma digital de aprendizagem ativa desenvolvida pela Camino, entram para apoiar o estudante no acesso a informações e dados científicos, permitir colaboração, facilitar o planejamento, a construção e o teste de modelos, além de prover múltiplas mídias e viabilizar ferramentas de análise e uso de dados.

 

Por fim, a educadora diz que entender a aprendizagem como esse fenômeno complexo nos leva a questionar sobre qual é a função da escola que queremos. “Acreditamos que isso passe, como disse o filósofo Edgar Morin, por aprender a sermos humanos nesse mundo tão complexo e conectado”.